Greve dos Metroviários causa caos em São Paulo

A greve do metrô começou ontem 00:00, a paralisação não atinge todas as estações e linhas. Segundo o Metrô, a linha 1-azul opera entre as estações Ana Rosa e Luz, a linha 2-verde opera entre a Ana Rosa e Clínicas, e a linha 3-vermelha funciona entre as estações Bresser-Mooca e Santa Cecília –todas com velocidade reduzida e maior intervalo de espera.

As linhas 5-lilás e 4-amarela –que é operada por concessionária privada– funcionam normalmente, mas também com velocidade reduzida.A região mais atingida é da zona leste, linha vermelha do metrô,linhas 11-coral e 12-safira da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), que ligam o centro a cidades da região metropolitana, também estão paradas nesta manhã..

Em nota, o Sindicato dos Metroviários afirma que o Metrô está tentando operar o sistema “de forma precária, utilizando o seu quadro de supervisores, que não são completamente habilitados para as funções exigidas. Essa é uma política irresponsável da empresa que coloca em risco, inclusive, a segurança dos usuários”.

O trânsito bateu o recorde histórico da manhã 249km de congestionamento, e passageiros revoltados com a situação entraram em confronto com a polícia em Itaquera zona leste.
Os metroviários marcaram para as 12h uma nova assembleia, que vai definir se a greve da categoria continua ou não, já os ferroviários irão se reunir as 18h de hoje.

A desembargadora ainda proibiu a liberação das catracas –uma das propostas da categoria para a greve.

Na manhã de hoje, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse em entrevista ao “Bom Dia Brasil”, da TV Globo, que “a população está sendo cruelmente punida por um grupelho radical que descumpre ordem judicial”.

Na audiência na Justiça do Trabalho, o Metrô ofereceu aumento real de 1,5% e 4,15% de correção, enquanto os funcionários pedem 5,37% de correção e 14,99% de aumento real.

Via: Folha de São Paulo.

Comentários

Deixe uma resposta