Provas de que tudo era permitido no Brasil nos anos 80 e 90

Antes de estrear na Globo, em 1986, Xuxa apresentava o “Clube da Criança” bem à vontade na TV Manchete.

Os cigarrinhos de chocolate Pan eram um sucesso nos anos 80. Só em 1996 a galera percebeu que talvez fosse meio perturbador, sem falar na má influência, ter uma criança “fumando” na embalagem. Aí o doce passou a ser vendido como “rolinhos de chocolate”.
Podia fazer pôster de assistentes de palco de programa infantil sem camisa
Os Marotos eram os ajudantes da Mara no “Show Maravilha”.

Podia botar duas crianças seminuas montadas numa moto para vender jeans.Essa propaganda saiu em um gibi do Pato Donald de 1980.

Podia ter uma criança e uma mulher, nuas numa propaganda de perfume.

Podia pular carnaval sem calcinha (e sem tapa-sexo) na TV.Em 1989, a modelo Enoli Lara foi a primeira mulher a desfilar nua no sambódromo carioca. Ela saiu pela União da Ilha.

Podia lançar uma banda cujo único hit era uma música de apenas dois versos: “seu pipi no meu popô/ seu popô no meu pipi”. O Vestidos no Espaço, na verdade, era formado por membros dos Titãs, Paula Toller, Jorge Mautner e o produtor Liminha. Lançaram um compacto em 1988, com “Pipi Popô”.

Podia sair na contracapa do disco infantil com o que parece ser um isqueiro na meia.
Tudo isso na contracapa de “A Banda do Bozo”, disquinho de 1986.
E podia fazer uma capa de disco assim:“Me Faz um Carinho” .Gravado em 1988 por ele mesmo, Gilberto Barros

Fonte

Campos de Concentração no Brasil

  Para quem pensa que Campos de concentração foi fruto apenas dos Nazistas, se engana. No Brasil houve campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial, é o que mostra documentos oficiais que estavam lacrados pelo governo e que ajudam a desvendar um período até aqui obscuro da história.
  Esse período da história brasileira não foi incluído nos livros didáticos até o momento, pois, até 1996, era considerado secreto pelo governo, que permitia apenas o acesso parcial das informações. Os arquivos foram lacrados com base em uma lei que proibia consultas ou pesquisas por 50 anos. Em 1988, o prazo diminuiu para 30 anos.

  Em 1915 e 1932, o governo brasileiro criou no Estado do Ceará, mais precisamente em Senador Pompeu, em uma parte conhecida como Sertão Central do Estado, campos para confinar retirantes que fugiam das secas.Estes campos ficaram conhecidos como os currais do governo.

  Já em 1942, a partir da declaração de guerra do Brasil aos países do Eixo(foram um dos adversários da Segunda Guerra Mundial), o governo brasileiro criou vários campos de concentração para cidadãos alemães, italianos e japoneses, considerados suspeitos de atividades antibrasileiras.Também foram feitos prisioneiros os tripulantes de embarcações alemãs capturadas ou avariadas nas costas brasileiras. Os campos oficiais eram doze: Daltro Filho-RS, Trindade-SC, Presídio de Curitiba-PR, Guaratinguetá-SP, Pindamonhangaba-SP,Bauru-SP, Pirassununga-SP, Ribeirão Preto-SP, Pouso Alegre-MG, Niterói-RJ, Chã de Estevam- PE e Tomé-Açu-PA.

  Também haviam outros campos de concentração dentre os oficiais, por exemplo, em Ponta Grossa que prendiam além de japoneses, alemães e italianos, também mantinham austríacos.Em Joinville, 200 pessoas foram colocados num hospício desativado. Um campo de concentração no Recife abrigou os funcionários das Casas Pernambucanas, apenas pelo fato de os seus patrões terem origem germânica.  

  A reclusão nos campos praticamente foi uma precondição para o apoio brasileiro aos Aliados. O tratamento dado aos imigrantes foi um dos elementos de negociação no campo da política internacional.

Depoimento à Comissão da Verdade lembrou que estádio Caio Martins, em Niterói, foi usado como um tipo de campo de concentração pelo regime militar