Virada Cultural

Pessoal de Sampa, dias 18 e 19 de Maio de 2013 Virada Cultural na capital!

Terá diversão para todos os gostos e idade!
Em sua 9ª edição, a Virada Cultural volta ainda maior. Seu principal palco, o Júlio Prestes, está mantido e já tem atrações confirmadas: Criolo, Racionais Mcs e Daniela Mercury.

Esse ano irão repetir o palco Stand-up comedy, montado na Praça da Sé. Danilo Gentili, Rafinha Bastos, Rafael Cortez, Diogo Portugal, são alguns dos nomes confirmados.

A novidade desse ano é o palco 25 de Março que terá atrações como: Mombojó, Céu e Otto. Atração nova também será vista no Marcado Municipal (Mercadão), com muito chorinho, comidas e aberto 24h!

Falando em comida Chefs na Rua também foi um sucesso e será mantido para esse ano, na Av. São Luis, na República.

E se você tiver filho pequeno e não quer deixar de curtir a virada, não se preocupe, teremos a viradinha cultural,com muitas atrações para a criançada como: Grupo Barbatuques,Palavra Cantada, Peixonauta e espetáculos em vários sesc’s da capital.

Rua dos Protestantes vira palco para a festa Voodoohop. A festa é uma das favoritas dos moderninhos da capital e mistura música boa com diversas manifestações culturais.

Palco de muito sucesso é o da Av. São João. Esse ano terá uma homenagem ao Chorão, Madame Saatan e Lobão.

Teremos Natiruts, Cabaré, Elza Soares,muito teatro nos sesc’s, brega no Arouche com Sidney Magal, Wanderléa, cinema, eletrônico e muito mais!!!

A Programação completa Aqui e Aqui

Dia dos Mortos no México

Dia dos Mortos no México

No Dia dos Mortos não se chora pelos ausentes. Festeja-se com o espírito dos defuntos que como em cada ano, viajam para estar com suas famílias na noite dos mortos.

No México, o Dia dos Mortos é uma celebração de origem indígena, que honra os defuntos no dia 2 de novembro. Começa no dia 31 de outubro e coincide com as tradições católicas.

Além do México, também é celebrada em outros países da América Central e em algumas regiões dos Estados Unidos, onde a população mexicana é grande. A UNESCO declarou-a como Patrimônio da Humanidade.
As origens da celebração no México são anteriores à chegada dos espanhóis. Há relatos que os astecas, maias, purepechas, náuatles e totonacas praticavam este culto. Os rituais que celebram a vida dos ancestrais se realizavam nestas civilizações pelo menos há três mil anos. Na era pré-hispânica era comum a prática de conservar os crânios como troféus, e mostrá-los durante os rituais que celebravam a morte e o renascimento.

É uma das festas mexicanas mais animadas, pois, segundo dizem, os mortos vêm visitar seus parentes. Ela é festejada com comida, bolos, festa, música e doces preferidos dos mortos.

Para os antigos mexicanos, a morte não tinha as mesmas conotações da religião católica, na qual as idéias de inferno e paraíso servem para castigar ou premiar. Pelo contrário, eles acreditavam que os caminhos destinados às almas dos mortos era definido pelo tipo de morte que tiveram, e não pelo seu comportamento em vida.

A tradição diz que as velas iluminam o caminho de volta das almas, depois das festividades.