Saiba qual é o melhor tablet para sua necessidade

A cada inovação tecnológica os tablets ficam mais populares e ganham novos usuários apaixonados. Para atender a essa demanda cada dia mais crescente, a variedade de modelos também se expande em ritmo acelerado. E os fabricantes não têm poupado esforços na hora de produzir equipamentos com configurações de hardware extremamente potentes e capazes de oferecer recursos e potencial de processamento de sobra para meras navegações na internet, capturas de fotos ou acessos a redes sociais.


Atualmente, essa categoria de eletrônico está sendo muito usada para o entretenimento das pessoas — o que é impulsionado também pela enorme variedade de jogos disponíveis na loja de aplicativos do Android, desde os famosos e muito procurados jogos de casino online em sites como, por exemplo, www.casinoonline.pt como uma infinidade de outras opções, para todos os gostos.

Confira quais são os quatro melhores tablets para você jogar os games mais recentes:

Nexus 10 – Sem dúvida, um dos aparelhos mais robustos para a sua jogatina no Android é o Nexus 10, o qual é produzido pela Samsung. Além da tela de 10 polegadas, ele se destaca pelo processador dual-core, os 2 GB de memória RAM e, principalmente, pela GPU Mali T604 de quatro núcleos.

ASUS Transformer Pad Infinity – Outro dispositivo que deve dar conta do recado para executar qualquer jogo é o Transformer Pad Infinity. Mais do que oferecer suporte para um teclado que o transforma praticamente em um ultrabook, esse gadget da ASUS possui componentes muito potentes.

Sony Xperia S – Assim como a maioria dos tablets top de linha, o Sony Xperia S possui um design ergonômico. Contudo, um dos grandes diferenciais desse modelo é a sua certificação PlayStation para jogos voltados para equipamentos portáteis. E a sua configuração também não deixa nada a desejar.

Nexus 7 – Por fim, outro tablet que não deve decepcionar você quando o assunto é desempenho em jogos é o Nexus 7 – equipamento desenvolvido entre a parceira da Google com a ASUS. A principal diferença desse gadget em relação aos outros até aqui é o tamanho da sua tela: 7 polegadas. Porém, o seu potencial de processamento gráfico acompanha a maioria deles.

Nasa põe Wi-Fi de 622 Mbps na Lua

Cientistas conseguiram transmitir sinal de internet Wi-Fi entre a Terra e a Lua. E a conexão provavelmente é melhor do que a que você tem em casa.

A Nasa e o MIT se uniram para a missão de estabelecer uma conexão em 384,4 km de distância e, segundo a Wired, apresentarão os resultados em uma conferência no mês que vem.
Eles usaram quatro telescópios de 6 polegadas no Novo México para enviar sinais a um receptor montado num satélite que está na órbita da Lua. É preciso mais de uma fonte porque não há garantia que um único sinal chegue ao receptor; quatro deles aumentam as chances.
Os pesquisadores conseguiram enviar dados a uma taxa de 19,44 Mbps, e quem estiver na Lua pode fazer download a incríveis 622 Mbps.

É sério, vi aqui

E o pessoal não perdoa kkkkkkkkkkk

Para pensar: O lado ruim da tecnologia

É inegável que vivemos uma época sem igual, hoje tudo está muito mais fácil, as informações chegam mais rápido, quase que instantaneamente. Se temos uma dúvida ou não conseguimos nos lembrar de algo, simplesmente “jogamos no google”.
Depois de muitos anos de luta, conquistamos liberdade de expressão, e um aparato tecnológico que está em todos os lugares. Entretanto, o fato é ficamos mais individualistas e preguiçosos, mais preguiçosos para lutar pelo o que acreditamos.
Se antes tínhamos a TV para nos distrair, hoje temos a internet e todas as suas possibilidades de entretenimento de “livre escolha”. As pessoas das gerações mais atuais olham para os mais velhos com um desdém e arrogância de como se o mundo os pertencesse, e somente elas é que sabem realmente como as coisas são… triste engano.
Hoje é praticamente impossível você entrar em um ônibus ou trem e não perceber várias e várias pessoas plugadas em sua parafernália tecnológica. Como se as redes sociais, joguetes e entretenimento barato fossem o mais importante da vida.
É claro que também temos o direito de aproveitar os benefícios de toda essa evolução, mas quando passamos a ignorar os problemas e fatos do mundo real, ou sequer nos damos conta deles, existe aí um grave problema…

Interessante….

Fonte – Minilua

Ex-técnico de informática diz ter dores causadas por alergia a tecnologia

O ex-técnico de informática Phil Inkly, 36, diz ter sido forçado a se mudar para um local isolado por causa de uma alergia a tecnologia. Segundo ele, que vive em um trailer numa região isolada da Inglaterra, o problema que ele mesmo diagnosticou tornou impossível suportar a vida moderna.

Inkly afirma ter sintomas como nariz escorrendo, escurecimento da vista, problemas no sono e dor de cabeça ao ficar perto de itens tecnológicos – ao “Daily Mail”, ele citou a radiação do Wi-Fi, dos telefones portáteis, do micro-ondas e da TV. O problema foi diagnosticado pelo paciente como hipersensibilidade eletromagnética – algo raro, mas já conhecido.

Nos Estados Unidos, há uma vila com 143 moradores que relatam o mesmo problema e vivem no local para se isolar das ondas eletromagnéticas.

Inkly diz que a fuga para uma região de floresta foi a única alternativa para controlar as dores insuportáveis. Segundo o “Daily Mail”, seus médicos temem que a radiação possa ter causado um tumor em seu cérebro, mas não podem fazer uma radiografia por conta da extrema sensibilidade do paciente.

“Eu fiquei tão doente [por causa das ondas eletromagnéticas] que passei a acreditar que viver na mata salvaria minha vida. Só assim que consegui dormir e controlar a dor”, afirmou o ex-técnico de informática. “Perdi minha vida social, minha vida amorosa e meu trabalho porque estou sempre doente e só consigo ficar em áreas com pouca radiação. Por causa disso, o dinheiro é sempre pouco”, afirmou Inkly.

Doença ainda não reconhecida

O médico Andrew Tresidder, da Escola de Medicina de Bristol e estudioso de eletrosensibilidade, acredita que Inkly possa sofrer de sensibilidade eletromagnética, uma condição ainda não reconhecida cientificamente devido à falta de evidências. “Os sintomas variam de fatiga, dores de cabeça, visão turva, formigamento, distúrbios do sono, dores nas articulações e dedos, coração acelelerado, entre muitos outros sinais”, diz.

Segundo Tresidder, esses sintomas seriam causados por tecnologias transmissoras, como a de um celular ou do sinal Wi-Fi, que alterariam de alguma forma o sistema endócrino do paciente.

“Infelizmente, autoridades governamentais ainda consideram esse distúrbio como psicológico”, lamenta o médico. “Há várias pesquisas científicas que mostram os efeitos adversos que campos eletromagnéticos têm em sistemas biológicos, inclusive humanos”, complementa Tresidder.

Fonte: UOL tecnologia

Novos tempos, novas doenças e alergias…